Virtual Guia

Olá! Seja bem-vindo. Hoje é quinta-feira, 04/06/2020 20:58:04.

Ainda não é usuário? Cadastre-se. É Grátis! | Efetuar login

Categorias

Silas Correa Leite

Silas Correa Leite

Silas Correa Leite tem 56 anos, é Teórico da Educação, Jornalista Comunitário e Coordenador de Pesquisas da FAPESP/USP em Culturas Juvenis. Começou a escrever aos 16 anos no jornal O Guarani de Itararé. De família pobre, migrou para SP em 1970 com 18 anos e a quarta-séria do curso primário. Voltou a estudar, fez Direito, Geografia. É Especialista em Educação (Mackenzie), com extensão universitária em Literatura na Comunicação (ECA) e Direitos Humanos e Cidadania. Autor de Porta-Lapsos, Campo de Trigo Com Corvos e do e-book de sucesso O Rinoceronte de Clarice, onze ficções, todas falando de Itararé. Premiado em vários concursos no Brasil e no Exterior. É autor do oficial Hino ao Itarareense. E-mail para contatos: poesilas@terra.com.br Site: www.itarare.com.br/silas.htm Blogues: www.portas-lapsos.zip.net e www.campodetrigocomcorvos.zip.net

Artigo

14/04/2013 Homem Poesia

Alguns dos mais de mil cadernos de rascunhos poéticos de Silas Correa Leite, cada um de 200 páginas.
Alguns dos mais de mil cadernos de rascunhos poéticos de Silas Correa Leite, cada um de 200 páginas.


“Muito acima do silêncio

Gravo o teu nome...”

Liberté, Paul Éluard

Versão Carlos Domingos

De tanto escrever florestas

O homem vira árvore

De filhos e livros e frutos e neuras – e poesia.

De tanto escrever poemas

O homem também vira umazinha

De loucuras santas e buscas libertárias.

De tanto escrever rios caudalosos

O homem tende a ser uma cisterna de nuvens.

De tanto dar asas à imaginação

O ser pode virar um homem-pássaro e escrever clarificações em verso e prosa.

Levo sementes nas poesias

E pedra sabão nos bolsos delas.

Escrevo para não ser encontrado.

Quando buscarem-me a mim, encontrarão

Em vez do poeta perigoso e peregrino, o poema furta-cor que dele brotou.

Carrego um tijolo da casa que já não há.

A Itararezinha em mim é outra.

Água e barro, lágrima e luz, linguagem e parede

Poesia como um barco verde, um ônibus azul, um cometa de fogo amarelo-laranja ou uma ilha-balão

De tanto escrever loucuras

Tornei-me eu mesmo uma Poesia



Vejam o que vão fazer disso

Que vou levar meu tijolo para erguer uma casa para minha mãe no céu



-0-

Cyber Poeta Silas Correa Leite – Santa Itararé das Artes

WWW.artistasdeitarare.blogspot.com/

E-mail: poesilas@terra.com.br

Autor de DESVAIRADOS INUTENSILIOS, Poemas, Editora Multifoco, RJ, no prelo

Poema da Série Bulbos Transversos, Poemas e Desconcertezas


Fotos

Alguns dos mais de mil cadernos de rascunhos poéticos de Silas Correa Leite, cada um de 200 páginas.

Comentários

Deixe seu comentário:

É preciso fazer login para escrever um comentário. Identifique-se e comente.